Para aqueles que estão acostumados com as salas de aula repletas de estudantes, fica muito evidente que o comportamento de um influencia as reações ou mesmo o comportamento dos outros.

É a partir dessa observação que o psicólogo canadense e professor da Universidade de Stanford, Albert Bandura, criou a teoria da aprendizagem social: essa teoria estuda o quanto as pessoas impactam umas nas outras quando se fala em aprendizagem, seja de forma positiva ou negativa.

O quanto você já aprendeu conversando com amigos seja em instituições de ensino, seja em uma festa ou em uma balada? O quanto você já aprendeu simplesmente observando comportamentos de pessoas durante viagens a lugares de culturas diferentes da sua?

Bandura não apenas ressalta o aprendizado por meio da observação como também destaca que o estado mental interno do aprendiz desempenha papel importantíssimo no processo de absorção de conhecimento. Desta forma, a teoria da aprendizagem social reforça que a aprendizagem ocorre por meio da interação entre a mente daquele que está aprendendo e o ambiente que o cerca. Sabe aquela frase: “não importa tanto o que você diz, mas sim o que você faz”? É um pouco por aí…  Por meio da teoria da aprendizagem, Bandura afirma que educa-se pelo exemplo e ações.

A teoria da aprendizagem social é tida como um elo entre a teoria da aprendizagem tradicional – o behaviorismo – e a abordagem cognitiva. Albert Bandura enfatiza a importância dos fatores mentais (cognitivos) na aprendizagem, e define aqueles que estão aprendendo como indivíduos ativos na hora de processar a informação e de valorizar a relação entre seu comportamento e as possíveis consequências.

Mas dentro dessa linha de raciocínio proposta pela teoria da aprendizagem social há um “senão” muito relevante: não se pode confundir que, por observação, os indivíduos simplesmente imitam o que veem ou afirmar que irão apresentar os mesmos comportamentos que observam sem processar tudo antes. Isso quer dizer que um jovem não irá ter atitudes agressivas, por exemplo, só porque assiste filmes ou séries violentas na TV.

Entre a observação a produção do conhecimento há mediadores que apontarão respostas alternativas ao que está sendo visto.

Entre os mediadores que entram em cena enquanto se observa estão o ambiente, a atenção dispensada ao fato, e a motivação – vontade de realizar determinado comportamento que vemos nas outras pessoas.

Caso as recompensas das ações observadas pelo aprendiz compensam os custos, provavelmente o comportamento será imitado pelo observador. Caso contrário, não haverá imitação do que foi observado.

Vale frisar que a observação ocorre de diversas formas, o tempo todo. Ocorre no dia a dia, na convivência dos filhos com pais, alunos com professores, estudantes com estudantes, docentes com gestores, e por aí afora.

E, claro, em tempos de globalização, essa aprendizagem obviamente se dá também por meio da internet, tecnologias e redes sociais digitais.

Se refletirmos mais sobre a teoria da aprendizagem social, o que podemos mudar nas nossas aulas? E como vamos lidar com as tecnologias e uso da Internet?


Os boletins do Educar para Ser Grande vão ao ar em três edições diárias, de segunda a sexta, nas rádios Difusora AM 570 e na 99 FM, no Vale do Paraíba!

Quer saber mais sobre educação?

Contate-nos: sandhra@educarparasergrande.com.br

Deixe um Comentário