E quem disse que não há boas práticas incentivadas pela pandemia de coronavírus?

Há quase um ano a população do país e do mundo enfrenta o árduo desafio de manter, além da saúde física em dia, também a saúde mental, abalada por crise econômica, isolamento social, e uma sorte de outras dificuldades impostas pela nova situação.

Ações que, a princípio, parecem simples podem impactar positivamente a vida de muitas pessoas.

Entre elas estão, por exemplo, planos de ação desenvolvidos por alunos do Espírito Santo, São Paulo e Sergipe com esse foco. Tais iniciativas não passaram em brancas nuvens e foram premiadas no Desafio Criativos da Escola de 2020, organizado pelo programa Criativos da Escola, do Instituto Alana.

Estudantes do Colégio Estadual Dom Juvêncio de Britto, em Canindé de São Francisco (SE), elaboraram o projeto Beijei! E agora?! – Caminhos para o empoderamento feminino, com objetivo de orientar jovens sobre educação sexual.

A ação visa abrir espaço para discussões sobre tabus, mitos e preconceitos em relação ao tema. Por conta da pandemia, o projeto foca em ações online compartilhando regularmente conteúdos nas mídias sociais, como podcasts, quiz e dicas de prevenção.

Uma outra iniciativa bastante louvável foi elaborada por estudantes da Escola Estadual Gilberto Giraldi, em Vargem Grande do Sul (SP),  após a constatação de que a falta de interação causada pelo distanciamento social acentuou problemas de saúde mental.

Com base nesse dado, os alunos desenvolveram o projeto Conexão GG, que funciona da seguinte maneira: por meio de um QR Code, a ação busca dar apoio emocional a colegas e familiares que, com relatos anônimos, podem receber orientação de profissionais voluntários. A ideia é ajudar a população a reconhecer suas emoções e proporcionar um ambiente de apoio emocional à comunidade escolar.

Segundo pesquisa realizada pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF), durante os primeiros meses de pandemia de coronavírus, 77% da população brasileira se automedicou. De acordo com especialistas, esse hábito traz riscos sérios à saúde, como reações alérgicas, envenenamento e, em última instância, pode provocar a morte. Diante deste cenário, um grupo de alunos da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Waldemiro Hemerly, em Rio Novo do Sul (ES), desenvolveu o aplicativo CuidaApp: a saúde na palma da mão . A iniciativa tem como objetivo levar informação sobre as consequências da automedicação e do uso de medicamentos inadequados aos moradores da cidade.

É bom destacar que, devido às medidas de prevenção à Covid-19, a 6ª edição do Desafio Criativos da Escola foi adaptada para que os estudantes pudessem participar de missões, individuais e coletivas, à distância.

Foram selecionados planos de ação, que, além de abordar a qualidade de vida, falam sobre a área de educação, igualdade, inclusão social e meio ambiente.

A lista completa com os 50 projetos premiados no Desafio Criativos da Escola 2020, você confere aqui.

Conheça outras 10 ações premiadas que abordaram a qualidade de vida!

Bahia

Exploradores do Amanhã, do Centro Territorial de Educação Profissional do Sertão Produtivo, em Caetité (BA)

Plano para desenvolver modelo de barracas para a feira livre do município, que é importante patrimônio histórico, cultural e social. As novas estruturas pretendem por fim na desorganização das barracas e no descarte inadequado do lixo.

Paper Clean, do Colégio Estadual Pedro Calmona, em Amargosa (BA)

Visa desenvolver um dispositivo para desinfectar folhas de papel, diminuindo, assim, o risco de propagação de vírus e de diversos outros patógenos.

Ceará

Alpha Centauri, do Colégio Militar do Corpo de Bombeiros, em Fortaleza (CE)

Plano quer desenvolver máscaras de proteção com nanopartículas de prata capazes de matar bactérias e, também, o vírus da Covid-19.

Minas Gerais

Luztina, do Colégio Santa Maria Minas, de Belo Horizonte (MG)

O grupo pretende desenvolver um site para auxiliar pessoas que passam por transtornos psicológicos, como ansiedade e depressão, causados, principalmente, pelo isolamento social decorrente da pandemia de coronavírus.

Renovando Esperança, da Escola Estadual Gabriel Ribeiro, em Carmo de Minas (MG)

Por meio da formação de grupos de alunos referência para cada bairro, a ação pretende aproximar a população da escola e vice-versa. Os grupos pretendem promover melhorias em cada bairro, a partir de reclamações e sugestões dos moradores.

Pernambuco

Iniciação científica em plano virtual: Uma ação para salvar vidas, da Escola de Referência de Ensino Médio, em Ipojuca (PE)

Desenvolver defensivos orgânicos a base de plantas medicinais para combater doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti.

São Paulo

Campinas das Quebradas, da Escola Estadual Francisco Glicério, em Campinas (SP)

O objetivo do projeto é que os estudantes aprendam a editar e montar um documentário, que conte as histórias das regiões periféricas de Campinas a partir das perspectivas dos próprios integrantes do grupo.

Conexão Mazza, do Instituto Madre Mazzarello, em São Paulo (SP)

O projeto visa promover informação, discussão e denúncia, tendo em vista o assédio sofrido pelas em todos os seus sentidos e seus danos físicos e psicológicos.

Redução de desigualdades, da Escola Municipal de Ensino Fundamental Henrique Souza Filho, em São Paulo (SP)

A partir da ODS 10, redução das desigualdades, projeto pretende alcançar os moradores que são vítimas de discriminação, devido sua classe e raça, em sua comunidade.

Sonhe, acredite e realize!, da Escola Municipal de Ensino Fundamental Professora Áurea Ribeiro Xavier Lopes, em São Paulo (SP)

A ação tem como objetivo conscientizar um maior número de pessoas sobre o que é depressão e ampliar a rede de apoio, por meio de redes sociais e outras ações offline.

Fonte: Instituto Alana


Os boletins do Educar para Ser Grande vão ao ar em três edições diárias, de segunda a sexta, nas rádios Difusora AM 570 e na 99 FM, no Vale do Paraíba!

Quer saber mais sobre educação?

Contate-nos: sandhra@educarparasergrande.com.br

Deixe um Comentário